• Slide Show Populacao
  • Slide Show Populacao
  • Slide Show Populacao
  • Slide Show Populacao
  • Slide Show Populacao

Você está em: Home » Saúde em Transplante » GAT Grupo de Apoio em Transplantes

SAÚDE BUCAL EM TRANSPLANTE DE FÍGADO

SAÚDE BUCAL EM TRANSPLANTE DE FÍGADO

Pacientes em lista de transplante hepático ou aqueles já transplantados devem ter uma atenção especial à sua saúde bucal. A condição de imunossupressão determinada pelo agravo do estado geral do paciente cirrótico ou pelo uso de imunossupressor pós-transplante pode favorecer o desenvolvimento de complicações infecciosas de origem bacteriana, viral e/ou fúngica.
 
É importante o conhecimento pelo paciente de que as infecções bucais de origem periodontal , ou cáries, somente podem ser resolvidas com intervenção de um dentista que realizará o procedimento necessário para tratamento das mesmas. O uso de antibióticos, nesses casos, pode momentaneamente controlar a infecção, no entanto, se não houver tratamento da causa primária, o agravo da mesma pode comprometer o estado geral do paciente.

No caso das doenças virais, infecções pelos vírus Herpes Simples, Citomegalovirus e Epstein Barr são mais comuns, podendo causar ulcerações na mucosa bucal que requerem tratamento apropriado e higienização adequada da cavidade bucal.  

A candidíase em mucosa bucal pode ser frequente nos casos de imunossupressão e apresentar diferentes formas clínicas, desde áreas avermelhadas à formação de placas brancas. Nos casos de candidíase, especial atenção deve ser dada à higienização das próteses dentárias para evitar a persistência e a disseminação da infecção.

A diminuição de fluxo salivar, também frequente em pacientes com doença hepática crônica, pode contribuir para o agravo das infecções virais, fúngicas, cáries e doença periodontal. Portanto, a higienização bucal deve ser realizada de forma adequada, após alimentação.  

Em indivíduos com cirrose hepática, outras condições que se relacionam diretamente com a saúde bucal devem ser prevenidas: o risco de desenvolvimento de encefalopatia hepática em decorrência de infecções bucais e o risco de hemorragias durante extrações dentárias. Para tanto, é necessário que o paciente com doença hepática crônica seja devidamente avaliado pela equipe de odontologia vinculada à equipe de transplantes. Algumas vezes, pode ser necessário que o tratamento dentário seja realizado em ambiente hospitalar.

Liliane Elze Falcão Lins Kusterer,
Cirurgiã-Dentista,
Membro da Comissão de Odontologia da ABTO
Especialista em Estomatologia e Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial
Doutora em Patologia Humana-FIOCRUZ-FMB-UFBA
Livre-Docente em Bioética FMB-UFBA
Profa Titular do Curso de Medicina da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP). Ética e Bioética.
Coordenadora do Núcleo Comum em Ética e Bioética dos cursos de Saúde da EBMSP
Profa Adjunta da Faculdade de Medicina da Bahia-UFBA. Ética e Bioética- DMPS